(11) 5535-4695   

Newsletter

Receba as nossas notícias e novidades em seu e-mail:

Parceiros

Símbolo & imagem na Arteterapia Junguiana: aproximações e distanciamentos conceituais.

 

No campo da arteterapia, deparamo-nos, com frequência, com a tarefa de compreender melhor as diferenças entre símbolo e imagem para pensar sobre recursos expressivos e a materialidade dos objetos, pois as fronteiras entre tais conceitos não estão colocadas em termos totalmente claros nesta abordagem terapêutica.

Para compreender melhor a noção de "símbolo" é importante retomar a Teoria dos Arquétipos, já que, para Jung, o arquétipo pode ser compreendido como um correlato do inconsciente coletivo, do qual pode surgir qualquer manifestação humana individual e/ou coletiva. O arquétipo, entretanto, não é um grande depósito de imagens, mas uma espécie de forma ou de formação virtual que será preenchida por imagens que se apresentam na experiência vivida do sujeito, que, por sua vez, encontra-se inserido no campo da cultura. Essas imagens são a única fonte possível de acesso a temas universais, pois os arquétipos em si são inatingíveis; pode-se acessá-los somente por meio de sua manifestação indireta, as imagens - denominadas por Jung "imagens arquetípicas", que se apresentam ou se presentificam como símbolos (JUNG, 1939/2000).

Jung utiliza esses dois termos quase indistintamente em sua obra, alternadamente.. O autor se preocupa em esclarecer as diferenças entre os conceitos de símbolo, signo e alegoria (JUNG, 1921/1991, §904:444), mas não faz nenhuma distinção específica entre tais termos e imagem. Entretanto, apresenta um conceito preciso de imagem como produção espontânea da fantasia, fundamentalmente de teor poético, desvinculada da mera reprodução visual de um objeto exterior (JUNG, 1921/1991, §827:417).

Coerente com sua concepção e fundamentação teórica acerca da psique, Jung considera que o inconsciente já existe antes da formação da consciência, sendo que esta se constitui e se reformula constantemente, a posteriori. Desta forma, a psique cria, sem parar, símbolos e imagens com os quais a consciência tem de dialogar a todo momento (JUNG, 1934/2001).

A natureza desse diálogo, segundo Jung, depende profundamente de uma atitude simbólica da consciência, o que aponta para o fato de que algo não é simbólico em si, mas passa a sê-lo somente em decorrência da qualidade da relação estabelecida pela consciência com tal conteúdo, pois "depende da atitude da consciência, que observa se alguma coisa é símbolo ou não; depende da inteligência, que considera o fato dado não apenas como tal, mas como expressão de algo desconhecido" (JUNG, 1921/1991, §907:445).

Freitas, ao discutir a questão da atitude simbólica da consciência, amplia essa concepção postulando o que chama de campo simbólico. E ressalta o caráter vivencial vinculado à experiência concreta desse campo, que consiste "[...] no conjunto de interações, impressões subjetivas, fatos e dados objetivos, fantasias, expectativas, intuições, emoções, avaliações, discriminações e indiscriminações que nele ocorrem" (FREITAS, 1990:77).

Jacobi, num estudo minucioso sobre três conceitos fundamentais da psicologia analítica (complexo, arquétipo e símbolo), esclarece que a raiz etimológica da palavra símbolo admite "as mais variadas definições e interpretações" (JACOBI, 1995:74). E continua: "No entanto, todas elas concordavam no ponto em que, dessa forma, se queria designar algo que, por trás do sentido objetivo e visível, oculta um sentido invisível e mais profundo." (JACOBI, 1995:75)

SantAnna, num estudo sobre a imagem na clínica junguiana, também reforça que Jung usa o termo exatamente no sentido grego original da palavra, "que significa a presença de um ‘aglomerado, de um ‘trançado, de duas partes que, unidas, criam uma unidade". E, evidenciando o sentido da reunião de partes ou instâncias distintas, continua: "Apesar de acessível ao consciente, o símbolo guarda sempre um sentido desconhecido ainda não formulado." (SANTANNA, 2001:30)

Jung se preocupa em apresentar o conceito de símbolo também como um transformador psíquico de energia de caráter curativo e restaurador, apontando sua natureza altamente complexa, que apela às diferentes funções psíquicas (JUNG, 1921/1991, §911:447).

Entretanto, em diferentes enunciados, o aspecto do desconhecido que se apresenta à consciência, parece ser o "coração" ou a "raiz" do conceito de símbolo, talvez justamente pelo sentido de união de uma parte conhecida com outra desconhecida, já referido na etimologia do termo. Por exemplo, quando Jung diz que "[...] todo fenômeno psicológico é um símbolo, na suposição que enuncie ou signifique algo mais e algo diferente que escape ao conhecimento atual" (JUNG, 1921/1991, §907:445). Ou ainda que "[...] o símbolo pressupõe sempre que a expressão escolhida seja a melhor designação ou fórmula possível de um fato relativamente desconhecido, mas cuja existência é conhecida ou postulada" (JUNG, 1921/1991, §903:444).

Ainda que Jung se preocupe em apontar a necessidade de um diálogo da consciência com o símbolo - de modo que esta possa se relacionar com a dimensão do novo que se apresenta e, também, assimilar o que ainda não é claro ou compreensível -, vemos que o significado etimológico do termo (símbolo) remete naturalmente à necessidade de ir em busca de uma outra parte ou aspecto, que estaria para além do que se apresenta na experiência imediata do sujeito. A reunião das partes demanda, por parte da consciência, a busca de um sentido - desconhecido - que, adicionado à porção conhecida, produz finalmente um significado, o que pode, a meu ver, evocar uma atitude interpretativa e racionalista do ego (tanto do paciente como do terapeuta) frente à manifestação psíquica, seja o sonho, seja a obra de arte, seja a palavra.

Na constituição de um novo campo de estudos, como a Arteterapia, é preciso definirmos de que "lugar" queremos falar sobre um determinado tema e que recorte será feito, o que implica sacrifícios em relação aos variados conceitos a serem utilizados da obra escolhida como referencial teórico, que no caso é a psicologia analítica. Portanto, ainda que Jung utilize os termos "imagem" e "símbolo" praticamente como sinônimos, na arteterapia optamos pelo termo imagem,sobretudo por entendermos que esse conceito é mais preciso para fundamentar a discussão sobre a materialidade dos objetos na prática clínica.

Portanto, tentando ser coerente com tal perspectiva, as idéias de representação, projeção e interpretação, normalmente usadas no campo da psicologia, são propositadamente deixadas de lado o máximo possível, em busca de uma abordagem imagético-apresentativa. Esta coloca o terapeuta na posição de cuidador das imagens o mais fielmente possível ao modo como se apresentam. Esse cuidado direciona, de certo modo, o contato e a relação do paciente com suas produções, numa perspectiva mais fenomenológica, de modo que possa suportar a tensão diante de uma peça que ele até há pouco não conhecia, pois ela acabou de nascer do encontro de suas mãos, corpo e alma com a matéria.

Nesse sentido, pegamos um dos atalhos propostos por Jung: ficar com a imagem, não se distanciar em associações ou amplificações que percam de vista a imagem presente nos desenhos, modelagens, colagens, gestos da dança, entre outros.  Porque, segundo o mesmo autor, a imagem nada esconde, apenas revela! Esse é também mais um ponto fundamental de diferença teórica apontado por Jung em relação à postura freudiana da interpretação, baseada no paradigma do conteúdo manifesto e do conteúdo latente, que concebe o sonho como uma espécie de embuste (JUNG, 1928/1984b).

Trata-se, portanto, de uma questão de escolher a linguagem que pareça melhor se adequar ao método, que o expresse com maior coerência em relação a uma conceituação teórica, algo crucial ao trabalho do arteterapeuta: apresentar um método que permita lidar com a materialidade, reformulando alguns conceitos e idéias inicialmente propostos pela psicologia.

E como as palavras não são tolas, já que encerram um campo próprio de significados, temos de mergulhar, escolher e ressignificar os conceitos que melhor fundamentem a arteterapia.. Materialidade e matéria, símbolo e imagem, apresentação e representação. Nesse processo prático e teórico, fundamentamos a arteterapia seguindo as trilhas ou pegadas de Jung. No caminho, inevitavelmente, pela amplitude da arteterapia, que busca aproximar dois campos tão distintos como a Arte e a Psicologia, encontramos outros autores, dialogamos com eles e aprendemos algumas outras coisas fundamentais que provavelmente nos permitem enriquecer a prática e a compreensão teórica do arteterapeuta.

No encontro com Gaston Bachelard, a idéia de que "a imaginação forma imagens" foi desconstruída. Ao contrário, como esse autor declara, a imaginação é a capacidade de deformar imagens. Concluimos, então, que a imaginação é uma atividade subversiva da psique, porque brota do espírito insatisfeito e incansável que se põe a repensar e "re-sonhar" as imagens que se apresentam, trocando e reinventando suas primeiras formulações. Em Bachelard, a imaginação é material: densa, úmida, seca ou escura como a terra; leve, morna, fria ou móvel como o ar; quente, ardente, insinuante ou fugaz como o fogo; esparramada, profunda ou superficial como a água. Para esse autor, a imaginação não é só do sujeito sobre o objeto; ao contrário, o sujeito é invadido e inundado, enaltecido e assombrado pela qualidade material dos elementos que fundam a imaginação.

Na companhia de Jacques Derrida, resgatamos o sentido de alteridade mais profunda, algo que pode ser cotejado com o que foi apontado também por Jung: o outro fala uma outra língua, é fundamental dialogar com a diferença e hospedar, no sentido de dar um lugar a, o estrangeiro que se apresenta à psique. Na arteterapia, o outro pode ser personificado nas formas e imagens que ganham materialidade, tridimensão, nuances concretas que penetram a imaginação, dirigindo-a a novos sentidos e sensações.

James Hillman, por sua vez, propõe novos atalhos para voltar à estrada principal, inspirando-nos pela possibilidade de rever tudo o que já era suposto saber. Tudo ainda pode ser "re-visionado", "re-visitado", "re-pensado", "re-imaginado" e "re-sonhado". Nesse encontro somos obrigados, por assim dizer, a abrir mão de algumas certezas para duvidar do que parece óbvio. O óbvio pode ser paradoxalmente muito pouco claro para aquele que estiver cego acreditando que já conhece o sentido das coisas. Ao dizer que devemos ficar com a imagem, tal qual Jung, Hillman reitera que não precisamos deixar a imagem sozinha e ir para outro lugar, por vezes distante, em busca de significados e interpretações brilhantes, porque a imagem traz em si seu significado. Basta ficar "circum-ambulando" ao seu redor, como nos diz Jung: ficar junto dela e deixá-la falar. No melhor estilo da tradição dos alquimistas, com trabalho laborioso e paciente, o significado então se apresentará!

 

Santina Rodrigues (Psicóloga clínica e arteterapeuta.

Mestre pelo IPUSP. Professora do IJEP e supervisora).

santina.rodrigues.oliveira@gmail.com

 


Symbolon: palavra derivada do verbo grego symballo, indica a união de duas partes ou instâncias, sendo uma conhecida e outra, oculta. 

 

 

Newsletter

Receba as nossas notícias e novidades em seu e-mail:

Parceiros