MANDRAGORA ? DA MAGIA À HOMEOPATIA

MANDRAGORA ? DA MAGIA À HOMEOPATIA Psicologia Junguiana Psicossomática Arteterapia

A Mandragora é uma planta da família das Solanáceas, cuja principal característica é a presença de uma raiz bifurcada que lembra a figura humana, motivando inúmeras lendas e superstições. Faz parte do folclore de algumas regiões onde é mencionado seu poder de fecundidade, de dar riquezas e sorte no amor.

    Existem muitas espécies de Solanáceas de interesse homeopático: Datura stramonium, Hyosciamus niger, Atropa belladonna, Solanum dulcamara, Capsicum annum e Nicotiana tabacum.

Algumas Solanáceas são comestíveis como a batata, a berinjela, o tomate, a pimenta e o pimentão.

Outras tem em comum a presença de alcaloides (hiosciamina, escopolamina e atropina) que são tóxicos por bloquear o sistema nervoso parassimpático, podendo levar a sintomas de envenenamento, que serão abordados oportunamente.

Esses alcaloides tem atividades estimulantes e alucinógenas, o que atrai o interesse de jovens adultos para o uso dessas espécies na preparação de chás entorpecentes.

A toxicidade provém da ação anticolinérgica dos alcaloides que inibem a acetilcolina em efetores autônomos e na musculatura lisa causando vários sintomas, tais como, broncodilatação, inibição das secreções salivares, brônquicas e sudoríparas, dilatação da pupila e bloqueio dos efeitos vagais sobre o coração, levando a um aumento da frequência cardíaca.

A Mandragora é uma erva perene de até 30 cm, com talos curtos e uma raiz tuberosa, grossa, semelhante ao nabo e que frequentemente pode apresentar uma forma que lembra a do corpo humano.

É encontrada em prados úmidos, às margens dos campos e dos rios, na Espanha, em Portugal, na Itália, na Grécia, no Oriente médio e no Himalaia.

 

USOS DA PLANTA

            A Mandragora tem sido usada desde a Antiguidade, existindo relatos que datam há cerca de 1.500 a.C., mas foi durante a Idade Média que alcançou maior aceitação. Existem diversos usos relatados:

  • Afrodisíaco - sua raiz foi usada para filtros amorosos (aqueles que a ingerissem juntos, permaneceriam apaixonados eternamente) e para combater a esterilidade. Na Bíblia é citada em Gênesis capítulo 30, versículos 14-15-16, onde Raquel disputa com sua irmã Lia, as Mandragoras encontradas por Rubens. Nessa passagem Raquel a utilizou para combater sua esterilidade.
  • Mágicos - era utilizada pelos bruxos como unguento antes dos feitiços e também como preparados que produziam terríveis alucinações. As raízes eram talhadas para aumentar sua semelhança com a figura humana, sendo então usadas como amuletos para atrair boa sorte ou para exorcizar demônios.

 

                                  

  • Psicotrópicos - graças aos seus alcaloides a planta foi usada como anestésico e soporífico. Nas tumbas faraônicas, como a de Ramsés III, aparece representado o fruto da Mandragora e o do Opium. Na Palestina preparavam um forte anestésico amargo para crucificados, conhecido como morion.

                                 

  • Venenos - Lucrécia Borgia utilizava a raiz de Mandragora pulverizada e mesclada com vinho para envenenar seus oponentes. Os sintomas do envenenamento consistem em transtornos gástricos, debilidade, abatimento, perda da sensibilidade, podendo culminar em coma e morte.

 

HISTÓRIAS E LENDAS

 

            Na história da Mandragora houve diversas citações envolvendo desde seu lado de mistério e magia, até seus usos medicinais.

            Pitágoras indicava que a Mandragora era usada nos cultos de muitos povos como erva mágica, devido ao formato humano da raiz.

            Algumas lendas devem ser relatadas para que se possa ter uma ideia do que esta planta representava.

            Para sua colheita havia um sério ritual, descrevia-se com uma espada três círculos ao seu redor antes de arrancá-la, devendo-se estar olhando para o poente. Outros desenterravam ao redor da raiz e então a amarravam a um cão que, ao atender ao chamado para sair do local, morria a seguir como vítima propiciatória. Para outros só era possível arrancá-la se antes fosse rodeada com urina de mulher ou sangue de menstruação. Relata-se que a raiz da Mandragora, ao ser desenterrada sem um ritual preparatório, gritava e gemia de tal forma que colocava louco ou matava quem a arrancasse.                  

            Também acreditava-se que a Mandragora crescia junto às forcas e que seu poder afrodisíaco vinha daí, pois o enforcado ejaculava na terra ao cair pendurado, e nesse local nasciam as plantas.

            Era chamada a raiz da loucura, usada pela bruxa Circe, que transformava homens em animais pela sua magia.

            Na mitologia grega estava relacionada a Hécate, a deusa da magia, da sabedoria, da intuição, e ligada ao arquétipo da parteira (que ajuda no momento do nascimento e também no da morte).

            Na Idade Média a Mandragora era conhecida com alraum (que significa raiz que tem figura humana), sendo considerada um talismã mágico que trazia sorte e bens terrenos.

            No século XVI queimava-se a Mandragora e guardava-se as cinzas envoltas em lenços de linho ou seda, na crença de que seu portador jamais seria infeliz.

            Como remédio foi usada desde a Antiguidade como antidepressivo, sedativo e anestésico em casos de cirurgias. Paracelso conhecia-a como efetiva para calculose renal e sedativo para epilepsia, coreia e tosse. Em outro relato era utilizada para inflamações dos olhos, para adiantar a menstruação e provocar trabalho de parto.

            Dioscórides explicava que a Mandragora colocada no liquor faz melhorar a melancolia, mas dose exagerada levava a morte.

            Na literatura houve citação da lenda em Romeu e Julieta de Shakespeare, na cena em que Julieta irá beber um líquido que a fará parecer como morta, ela adverte para soar uma trombeta antes de retirar a Mandragora do solo, para não ouvir seus brados e enlouquecer.

            Maquiavel escreveu a comédia A Mandragora que foi uma das primeiras do teatro moderno, onde mostra o uso da planta para tornar fértil as mulheres estéreis.

 

UTILIZAÇÃO HOMEOPÁTICA

 

            Apesar de conhecida desde remotos tempos, houve uma lastimável demora para que se experimentasse a Mandragora homeopaticamente.

            Somente em 1920 é que Allen publicou na Enciclopedia de Matéria Médica Pura as primeiras experimentações da Mandragora, realizadas em 1834 (Dr. Dufresne) e 1874 (Dr. Richardson).

            Em 1951 foi ricamente experimentada por Julius Mezger, que ampliou os conhecimentos homeopáticos a respeito desta planta, tendo experimentado em 30 médicos.

            Raedson fez outra experimentação em 1963/64 em 15 pessoas observando em todas elas o aparecimento de fortes dores articulares, e em 12 vezes dores de cabeça, depressão e dificuldade para concentrar-se.

            Em 1980 Edward Whitmont fez experimentação a partir das folhas sem observar diferença em relação às outras experimentações que usaram a raiz.

 

 

SINTOMAS PATOGENÉTICOS DAS MATÉRIAS MÉDICAS

 

  1. Sintomas Mentais

 

            Do ponto de vista mental, a Mandragora causa peculiar paradoxo de sonolência e entorpecimento junto com intensa excitação, ocorrendo uma irritabilidade apática. Há tendência a depressão, com apatia ou irritação, podendo bruscamente alternar com euforia e alegria. Há estados de deliro e de confusão mental, hipersensibilidade aos ruídos, sentimento de insegurança e ansiedade, falta de concentração e de memória, aversão ao trabalho, mudança de humor, acessos de choro alternado com euforia ou agitação exagerada. São indivíduos hipersensíveis, histéricos, com tendência a estados hipomaníacos ou maníaco-depressivos, acompanhado por sintomas psicossomáticos.

            Os indivíduos Mandragora se comportam como se estivessem sob domínio da magia da planta, ora estão entorpecidos e anestesiados, ficando indiferentes ao prazer e ao trabalho, ora estão excitados, eufóricos, com visões terríveis e fantasmagóricas, agindo como que enlouquecidos.

 

Compreendendo seu gênio medicamentoso

            Os indivíduos Mandragora são como sua raiz, que embaixo da terra tem aparência da figura humana. É a caricatura da espécie humana, carregando múltiplos comportamentos paradoxais da espécie, na figura do vagabundo, "homeless" (desabrigado), aquele tipo de louco que habita as ruas e saídas de escolas; uma vez que vivem uma realidade própria dentro de seu universo delirante, ora eufórico cantarolante, ora maníaco ou prostrado, ou ainda como que endemoniado, histérico e fora de si, irresponsável e obsceno.

            Exercitam no picadeiro da vida aquilo que é ridículo, mas que cada um de nós carrega um pouco. Nesta figura exótica rimos daquilo que somos.

            Ao lermos que sua depressão melhora urinando, fica evidente a necessidade deste medicamento de excretar ao meio sua conflitiva interior, ao urinar coloca para fora seu produto interno.

            Em Mandragora há "honestidade" em excesso por mostrar o lado caricato da humanidade, urinando a angústia do homem, seu feitiço interior ou seu pecado original (miasma).

            A personalidade Mandragora retrata a miséria humana, sua confusão, sua incongruência, sua ambivalência, sua inconseqüência e sua irresponsabilidade.

            A loucura, aqui usada como facilitador didático, representa a expressão direta do mundo inconsciente. Tumultuado, incoerente, inconseqüente e imprevisível.

            As emoções afloram tal qual realmente são sentidas, cálidas, transbordantes, expressas pelo riso louco, fala desconexa e andar sem rumo; ou pela tristeza, com emoções dolorosas e paralisantes.

            A música "A Balada Para Um Louco" de Astor Pizzola é uma crítica refinada onde, como no filme "O Estranho No Ninho", os temas sanidade e loucura ocorrem.

 

  1. Sintomas Gerais

 

Há agravação de sintomas:

  • por toque suave
  • das 3 às 5 horas da manhã
  • por movimentos e esforços
  • ao ficar em pé e ao estar com os membros pendurados
  • antes de tempestades, por tempo tormentoso e úmido
  • em lugares fechados com muita gente
  • pelo calor
  • ao consumir gordura, café, bebida alcoólica e tabaco

 

Há melhora de sintomas:

  • ao se deitar, em relaxamento
  • pela eliminação de secreções (urina, fezes)
  • cólica abdominal, cefaleia e ciática melhoram espreguiçando-se
  • gastralgia e cefaleia melhoram ao comer
  • as dores articulares melhoram com movimentação contínua ao ar fresco
  • a depressão melhora com a evacuação e diurese abundante

 

            As manifestações sintomáticas são predominantemente do lado direito. Não tolera o calor; as secreções tem mau odor. 

Tem sono agitado, intranquilo, com sonolência durante o dia, mesmo depois de uma boa noite de sono.

Há intolerância aos alimentos gordurosos, aos doces, álcool e fumo. Desejo por alimentos picantes, carnes e doces.

 

Cabe neste momento falar sobre o teste "Hocke", que vem do alemão hocken, que significa acocorar-se.

Neste teste o paciente flete os joelhos e fica de cócoras, com a cabeça inclinada para frente e abaixada. Com esta posição há excitação do parassimpático (reflexo vagal) levando a bradicardia, miose, aumento do peristaltismo intestinal e outros sintomas contrários àqueles produzidos pela atropina, ocorrendo relato de piora geral nesta posição.

            E quando colocado em posição ereta e com inclinação do tronco para trás (espreguiçando-se), há uma espécie de "bloqueio" do parassimpático, "como se houvesse liberação de substâncias semelhantes a atropina", ocorrendo sintomas em similitude a Mandragora com consequente melhoria sintomática.

 

 

  1. Sintomas Particulares

 

Cabeça: há congestão cefálica (semelhante a Belladonna), com sinais de pletora, acompanhados de mãos e pés frios. Cefaleia congestiva relacionada a ansiedade e antecipação, que melhora com ar frio e pressão forte, piorando com exposição ao sol, fumo e álcool.

 

Vertigem: muitas vezes a vertigem é semelhante a Síndrome de Menière (tontura, náuseas, vômitos, redução da audição e dificuldade para permanecer em pé), precisando deitar para melhorar; outras vezes piora ao se deitar ou se virar. Geralmente ocorre após emoção ou ansiedade.

 

Olhos: congestão aguda dos olhos, conjuntivite, irite, midríase, os objetos parecem ter listras.

 

Ouvidos: zumbido persistente, hipersensibilidade aos ruídos.

 

Aparelho Circulatório: ocorre estase venosa com hemorróidas, varizes em membros inferiores, tendência hemorrágica com petéquias nas coxas e estomatite hemorrágica.

 

Aparelho Respiratório: tosse por irritação laríngea, bronquite aguda, rouquidão e dispnéia.

 

Pele: há Herpes labial e zoster, furúnculos e erupções, com pele oleosa que suja as roupas pessoais e de cama.

 

Aparelho Digestório: Há Herpes labial (semelhante a Natrum muriaticum), boca seca, estomatite aftosa, estomatite hemorrágica, mau hálito, periodontite (deixando o dente extremamente doloroso ao mais leve toque), há amigdalites recidivantes e dormência da garganta como se estivesse anestesiada. Dor epigástrica frequente que melhora ao comer e ao beber, e ao se inclinar para trás (como Belladonnna, Bismuthum, Causticum, Dioscorea, Kali carbonicum). Tem saciedade logo ao começar a comer, com náuseas e vômitos após alimentos gordurosos. Há alteração na secreção biliar (cólica biliar). Ocorre obstipação com fezes em cíbalas, ou evacuação de fezes amolecidas porém com dificuldade. Ardência anal e hemorroidas sangrantes.

 

Aparelho Gênito-Urinário: bexiga frouxa com necessidade frequente de urinar, incontinência noturna, ou dificuldade para urinar. A saída abundante de urina melhora a depressão (único remédio, no Repertório Homeopático). Libido sexual aumentada ou diminuída (uso histórico como afrodisíaco).

 

Extremidade: lombociatalgia que melhora ao se reclinar ou se movimentar, artralgias com hipoestesia da pele, há mialgias generalizadas, dores em grandes articulações e em coluna, que melhoram com movimentação contínua, artrites (com sinais flogísticos)

 

Sistema Nervoso Periférico: sensação de dormência nos braços e pernas, na cabeça, no rosto e nas mucosas, alteração da sensibilidade profunda.

 

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

 

            Os sintomas em comum são devidos a inibição do parassimpático, obsevando-se congestão cerebral (mais ativa em Belladonna), cefaléia congestiva e pulsátil, midríase, mucosas secas, taquicardia, hipertermia, obstipação e alternância de excitação e depressão.

            Existem diferenças entre a forma de cada medicamento vivenciar seu desequilibro, a começar pelo delírio:

 

  • Mandragora - o delírio é semelhante aquele dos que estão enfeitiçados pela planta. Há loquacidade, com fala sem sentido e incompreensível, agitação psicomotora, inquietude e incapacidade de permanecer parado, embora sem conseguir andar por sentir dormência de membros inferiores e sensação de que está com as pernas paralisadas (lembrando o estado do indivíduo embriagado), sendo que a violência encontrada nas outras solanáceas não compõe sua síndrome mínima.
  • Hyoscyamus - há um delírio maníaco, com movimentos carfológicos: fala com loquacidade de assuntos relacionados às suas atividades habituais (delírio ocupado) e também fala temas religiosos, mudando rapidamente de um tema a outro e tomando atitudes eróticas (o indivíduo tira suas roupas e expõe seus genitais). Este delírio agitado alterna com delírio tranqüilo onde balbucia ou murmura palavras desconexas, predominando este quadro de debilidade e fraqueza, que vai aumentando até cair num estado de estupor, comportando-se como morto.
  • Stramonium - durante o delírio os olhos ficam muito abertos, há agitação, violência e ausência de dor. Fala línguas estranhas, grita, chora ou ri, dança com loquacidade extraordinária, crê estar vendo espíritos e conversa com eles, comporta-se como se estivesse possuído. Ocorre delírio erótico (arranca as roupas) e delírio religioso à noite (canta louvores com desespero por sua salvação).
  • Belladonna - o delírio é muito violento, furioso, bate a cabeça na parede e arranca o cabelo; loquacidade, mudando de um assunto para o outro, sem que haja conexão entre eles e sem concluí-los. Fala sobre temas religiosos, delira sobre cachorros, ladra, deseja morder, alucina que vê gatos, que vê cachorros, que é um cachorro ou outro animal. Pode atacar com violência, com desejo de matar e colocar fogo em tudo.

 

Ainda cabe lembrar Canabis indica pelo lado alucinógeno (entretanto a agitação dos indivíduos Mandragora é mais marcante), e também Opium onde a alienação, a parca atividade, a hipotonia e hiposensibilidade fazem a diferença, apesar da característica do aspecto narcotizado que se encontra nos dois pacientes.

 

            Em relação às convulsões:

 

  • Mandragora - há convulsão generalizada.
  • Stramonium - há convulsão com a consciência preservada, com pouca ou nenhuma dor, tiques, movimentos coreiformes e carfológicos. Agravação à luz ou por objetos brilhantes, vendo ou ouvindo barulho de água corrente.
  • Hyoscyamus- as convulsões são mais clônicas que tônicas, com perda da consciência, ocorrendo após refeições, susto ou durante o sono.
  • Belladonna - convulsão tônico-clônica com congestão cerebral evidente.

 

            Todos são hipersensíveis, mas modalizando:

 

  • à luz: Belladonna é mais que Stramonium
  • a odores: Mandragora
  • ao ruído: Belladonna é mais que Mandragora, que é mais que Hyoscyamus.
  • ao ruído da corrente de água: Stramonium.

 

A respeito de ciúme e clarividências:

 

  • Hyoscyamus é um dos mais ciumentos da Matéria Médica, com raiva e impulso para matar. Possui clarividência graças a sua identificação com o inconsciente.
  • Stramonium também é ciumento, acusando a sua esposa de infiel ou seu marido de negligente. Tem clarividência.
  • Belladonna tem ciúmes, dizendo e fazendo o que nunca diria ou faria. Não tem clarividência.
  • Mandragora não tem estes sintomas descritos nas Matérias Médicas pesquisadas.

 

Existem outros medicamentos que devem ser comparados através da sintomatologia em comum com a Mandragora:

 

  • Dores estomacais, melhorando ao comer e piorando com estômago vazio: Anacadium, Graphites, Chelidonium, Iodium, Hedera, Fluoric acid, Calcarea fluorica, Bromium, Ignatia, Petrolium, Conium.
  • Dores na cabeça, melhorando ao urinar: Phosphoric acid, Gelsemium, Sanguinaria, Silicia, Veratrum album.
  • Dores na cabeça, piorando ao ficar em pé: Sulphur. Deixando os membros pendentes: Pulsatilla.
  • Dores de cabeça, melhorando ao se reclinar: Belladonna, Bismuthum, Causticum, Dioscorea, Kali carbonicum.
  • Melhora com movimentação contínua: Pulsatilla, Rhus, Hedera, Iodium.
  • Prisão de Ventre, com impulso frustrado e fezes granuladas: Nux vomica, Alumina, Plumbum.
  • Cólicas de vesícula biliar: Belladonna, Colocynthis, China, Chelidonium, Lycopodium, Berberis, sais de Magnesio.
  • Com lateralidade à direita: Lycopodium, Chelidonium, Sanguinaria.
  • Distúrbios de estômago, melhorando com evacuação e flatos: Agaricus.
  • Catarro de intestino, com evacuação em jato: Podophyllum; com tenesmo: Mercurius; com evacuação espontânea: Aloe.

 

Com o estudo da Mandragora tem-se à mão uma nova prescrição para aqueles pacientes com artrose, gota e ciática, que já foram tratados com inúmeros medicamentos e sem grande melhora, podendo obter alívio com o uso organicista deste medicamento.

Por outro lado, abre um novo horizonte para aqueles pacientes que vem usando Belladonna ou Hyoscyamus ou Stramonium e que não estão progredindo, apesar do medicamento ter sido bem escolhido. Talvez sejam Mandragora!

Pela experiência clínica o que se sabe é que dos quatro medicamentos a Mandragora apresenta sintomas mais atenuados e com evolução mais crônica dos mesmos.   

REFERÊNCIAS

ALLEN, T.F. The encyclopedia of pure materia medica. New Dehi: B. Jain Publisher, 1920.

BÍBLIA Sagrada. São Paulo: Sociedade blíbica do Brasil, 1988.

BRUNINI, C; SAMPAIO, C. Matéria médica homeopática IBEHE. São Paulo: Mithos, 1982, p. 179-197.

DAVIS, J.D. Dicionário bíblico. 4.ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1973, p. 375-376.

FONT QUER, P. Plantas medicinales - El dioscorides renovado. 5.ed. Barcelona: Editorial Labor S/A, 1981, p. 590-595.

KURY, M.G. Dicionário de mitologia grega romana. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 1992, p. 83 e 172.

MEZGER, J. Ensinamentos sobre medicamentos homeopáticos. Heidelberg: Editora Haug Verlag, 1985.

NUÑES, D.R. La guia de incafo de las plantas útiles y venenosas de la península ibérica y baleares. Madri: INCAFO AS, 1991, p. 803-805.

_______ Mandragora, quadro farmacológico e experiências. Jornal Geral Homeopático nº 209, 1964, p 107.

SHAKESPEARE, W. Romeu e Julieta (ato IV cena III). Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar Editora, 1969.

WHITMONT, Edward C. Psique e substância - A homeopatia à luz da psicologia junguiana. São Paulo: Summus, 1989.

TYLER, M. L. Retratos de medicamentos homeopáticos. São Paulo: Livraria Santos Editora, 1992, p.128-138, 334-347, 443-450.

VIJNOVSKY, B. Tratado de matéria médica homeopática. Rio de Janeiro: MUKUNDA, 1987. v.2, p. 339-341.

VOISIN, H. Manual de matéria médica para o clínico homeopata. São Paulo: Andrei Editora, 2ªed, 1987.

Dra Lia Rachel B. Romano é médica clínica geral, Mestre em Homeopatia

Professora de Psicossomática do IJEP

lia.romano@uol.com.br


Lia Rachel B. Romano - 19/03/2019