Ter capacidade crítica e reflexiva é o que me mantém vivo, confiante, plural e feliz! Foi isso que fiz quando anunciei publicamente o sétimo dia do falecimento da minha mãe, aos 101 anos de idade, agradecendo tudo que ela fez por mim e, ao mesmo tempo, criticando o que ela deixou de fazer por ela, na direção consciente do seu processo de individuação. Com isso, acredito que deixei claro a diferença que faço entre amar e gostar. Infelizmente, assim como ela, a maioria dos humanos, por ficarem monotemáticos e egoístas, perdem a oportunidade de servir ao Self que, para C. G. Jung, é a representação da Imago Dei em nós, ou Deus em nós! Ampliando um pouco mais a questão, posso amar uma pessoa, e com isso vibrar e contribuir para sua realização, mesmo que seu caminho vá numa direção contrária ao meu ou dos meus gostos, exercitando minha capacidade de tolerância. Por isso, existem muitos seres humanos, que amo verdadeiramente, e estou sempre pronto para servir e contribuir com seus caminhos de realização, mesmo não gostando se suas posições políticas, religiosas, hábitos, etc. Óbvio que, por amar, jamais deixo de estimula-los criticamente, com o propósito de ampliação da consciência - creio que essa é a minha missão. Porém, quando o convívio passa a ser oneroso, e para respeitar as diferenças passo a me desrespeitar, começo a me desamar e, neste caso, a distância se faz necessária, porque o convívio passa a ser muito desgostoso, consciente de que o limite do amor ao próximo é o amor a nós mesmos preservado!

ARTIGOS DESTAQUE

27/09/2021 - Terceira Idade: Vida em Transcendência

27/09/2021 - Por que as histórias nos tocam? Uma leitura simbólica do conto A Bela Adormecida

08/09/2021 - Anima e animus: somente arquétipos ou também complexos?

08/09/2021 - Os desafios da clínica junguiana diante dos grandes traumas

01/09/2021 - A arte de se relacionar com o lado ruim das coisas

01/09/2021 - Porque a arteterapia cura #O Ponto

29/08/2021 - MENOS ZEUS, MAIS NHANDERÚ: Um olhar sobre mitologia indígena brasileira

26/08/2021 - "Aquarela" nos tempos de pandemia: uma reflexão sobre o improviso no atendimento online

25/08/2021 - A humanização dos vilões

17/08/2021 - Joseph Climber, exemplo de resiliência ou teimosia?

10/08/2021 - Hikikomori – Jovens isolados em suas casas e aprisionados pelo complexo materno

06/08/2021 - Quando a positividade é tóxica?

06/08/2021 - O Napoleão de Hospício Brasileiro

06/08/2021 - TERAPÊUTICA E SEXUALIDADE – Parte 1

02/07/2021 - Quem Conta um Conto Nutre uma Alma

30/06/2021 - A manifestação da sombra no sonho: um recorte analítico de um caso.

30/06/2021 - Culto da performance e sentimento de insuficiência no mundo contemporâneo

30/06/2021 - Seu perfil virou mercadoria: o processo de individuação em meio à sedução da cultura de consumo de massa e invasão de privacidade.

30/06/2021 - Mindfulness e o Inconsciente – ativação da função transcendente

30/06/2021 - Mnemósine e a Doença de Alzheimer – uma perspectiva analítica

30/06/2021 - Deus e o Idiota das colheres de pau: um ensaio sobre o Inefável

30/06/2021 - DESCOMPLICANDO O TDAH, UMA LEITURA JUNGUIANA

30/06/2021 - UM ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA NO BRASIL

28/06/2021 - Reflexão do uso da fotografia como técnica expressiva no setting terapêutico: resgate de memórias

28/06/2021 - O Gambito da Rainha – o guia no porão e as imagens da alma

25/06/2021 - (RE) PENSAR A MATERNIDADE TARDIA SOB A PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA ANALÍTICA

24/06/2021 - GAIA NO ANTROPOCENO

24/06/2021 - Fantasia do Eu e o Mal

01/07/2021 - Os Grandes Sonhos: Uma Magnum Opus

24/06/2021 - Almas negras, brancas, vermelhas e amarelas, uma só alma

23/06/2021 - Marionetes do Self, dando Movimento e Voz as Imagens Arquetípicas

23/06/2021 - Falácia Parental, a culpa do destino dos filhos é exclusivamente dos pais?

25/06/2021 - Da Arte a Arteterapia

29/07/2021 - Quando a água bate é que se aprende a nadar

23/06/2021 - RAIVA: MORALMENTE CONTIDA, MENTALMENTE NÃO RECONHECIDA, EMOCIONALMENTE FERIDA

23/06/2021 - ORBIS SENSUALIUM PICTUS: A importância das imagens na obra de Jung

10/06/2021 - Livrai-nos do Mal. Amém!

02/06/2021 - A dificuldade de exposição pessoal dos psicoterapeutas

02/06/2021 - “Love is in the air” Uma leitura junguiana do amor

15/06/2021 - ESTÉTICA em WALTER BENJAMIN A OBRA DE ARTE NA ÉPOCA DE SUAS REPRODUÇÕES TÉCNICAS

19/05/2021 - Ensaio sobre o bom senso

17/05/2021 - PERVERSIDADE SOCIAL: O SOMBRIO ESPELHO QUE NOS REVELA

01/07/2021 - O resgate da experiência simbólica: considerações a partir da psicologia analítica e do paradigma quântico

16/05/2021 - Pardal em ninho de andorinha: uma análise junguiana sobre o folclore japonês da série “The Terror - Infamy

16/05/2021 - As Torres de Bollingen: reflexões sobre o recolhimento