A Terra é um pequeno e raro planeta que vem possibilitando a vida biológica dos seres advindos do carbono, habitado por nós, seres humanos, gerados pelo húmus e, por isso mesmo, dependemos dela! Apesar disso, infelizmente, estamos correndo o risco de sermos extintos, porque acabamos criando e aprendendo a conviver com a destruição da camada mais exterior do planeta, impermeabilizando o solo e a atmosfera, além de estimularmos o egoísmo, a violência, a competição, a desigualdade e uma infinidade de iniquidades. Com isso, somos continuamente expostos ao medo, a dor, a tristeza e acabamos nos tornando sofredores, continuamente assustados com a poluição, o aquecimento global, o risco eminente de catástrofes, gerando, em decorrência disso, a desgraça da exclusão social, racial, religiosa, cultural e, a pior de todas, a econômica. Reativa e condicionadamente, essa situação nos leva para o desconforto psíquico, o qual fomos treinados a aliviá-lo por meio do consumo exagerado de todos os tipos de coisas inúteis e de drogas, o que agrava mais ainda a situação, apesar de proporcionar sensação de anestesia momentânea. Mas, simultaneamente, um movimento silencioso, tranquilo e oculto está acontecendo, e certas pessoas estão sendo tomadas por uma dimensão mais elevada, como uma espécie de luz que as desperta e remete para um estado de amor incondicional, consigo mesmas e pelos próximos, com sentimentos de plenitude e fé! Apesar desse atual retrocesso androcêntrico, misógino, machista e territorialista, representado por lideranças de extrema direita que estão surgindo, legitima ou ilegitimamente.


"A partir do dia em que conhece seu primeiro amor, a mulher se transforma. Isso continua a ocorrer por toda a sua vida. O homem passa a noite com a mulher e vai-se embora. Sua vida e o seu corpo são sempre os mesmos. A mulher concebe. Como mãe, ela é uma pessoa diferente da mulher sem filhos. Ela traz o fruto da noite em seu corpo durante nove meses. Alguma coisa se desenvolve. Desenvolve-se em sua vida algo que jamais se vai. ELA É MÃE. É e permanece mãe mesmo que o filho morra, mesmo que lhe morram todos os filhos. Porque, num certo momento, ela trouxe o filho sob o próprio coração. E ele jamais lhe sai do coração. Mesmo quando morre. Tudo isso o homem ignora; ele nada sabe. Ele não sabe a diferença entre o amor e o depois do amor; entre antes e depois da maternidade. Ele nada pode saber. Somente uma mulher pode saber disso e falar sobre isso. Eis porque não queremos que nossos maridos nos digam o que fazer." Jung e Kerényi, Introdução à ciência e mitologia. Eu sou mãe do coração, gestei meu filho por longos anos na alma e no peito. Eu o reconheci em seu corpo aos 9 meses e imediatamente soube que o havia encontrado. O filho que habitara meus sonhos desde a infância estava na minha frente em corpo e espírito. Esta é outra maneira de ser mãe, mas tão intensa e transformadora quanto a maternidade, porque o que conta, no final, é a maternagem; o amor e o cuidado dedicado. E que amor é esse? Impossível explicar, nada, absolutamente nada pode explicar. É a experiência mais arrebatadora, em que seu peito se expande ao infinito e reconhecemos o milagre do Divino. 

ARTIGOS DESTAQUE

13/10/2021 - REDESCOBRINDO A CORPORALIDADE

11/10/2021 - A GRANDE MÃE BRASILEIRA, APARECIDA

07/10/2021 - De Coré a Perséfone: O voo da borboleta

07/10/2021 - A Queda como Tomada de Consciência

07/10/2021 - Porque a arteterapia cura #2 A Linha

07/10/2021 - Adoecer: um processo entre corpo e espírito

02/10/2021 - MEDO COMO INSTRUMENTO DE REALIZAÇÃO EXISTENCIAL

27/09/2021 - Terceira Idade: Vida em Transcendência

27/09/2021 - Por que as histórias nos tocam? Uma leitura simbólica do conto A Bela Adormecida

08/09/2021 - Anima e animus: somente arquétipos ou também complexos?

08/09/2021 - Os desafios da clínica junguiana diante dos grandes traumas

01/09/2021 - A arte de se relacionar com o lado ruim das coisas

01/09/2021 - Porque a arteterapia cura #O Ponto

29/08/2021 - MENOS ZEUS, MAIS NHANDERÚ: Um olhar sobre mitologia indígena brasileira

26/08/2021 - "Aquarela" nos tempos de pandemia: uma reflexão sobre o improviso no atendimento online

25/08/2021 - A humanização dos vilões

17/08/2021 - Joseph Climber, exemplo de resiliência ou teimosia?

10/08/2021 - Hikikomori – Jovens isolados em suas casas e aprisionados pelo complexo materno

06/08/2021 - Quando a positividade é tóxica?

06/08/2021 - O Napoleão de Hospício Brasileiro

06/08/2021 - TERAPÊUTICA E SEXUALIDADE – Parte 1

02/07/2021 - Quem Conta um Conto Nutre uma Alma

30/06/2021 - A manifestação da sombra no sonho: um recorte analítico de um caso.

30/06/2021 - Culto da performance e sentimento de insuficiência no mundo contemporâneo

30/06/2021 - Seu perfil virou mercadoria: o processo de individuação em meio à sedução da cultura de consumo de massa e invasão de privacidade.

30/06/2021 - Mindfulness e o Inconsciente – ativação da função transcendente

30/06/2021 - Mnemósine e a Doença de Alzheimer – uma perspectiva analítica

30/06/2021 - Deus e o Idiota das colheres de pau: um ensaio sobre o Inefável

30/06/2021 - DESCOMPLICANDO O TDAH, UMA LEITURA JUNGUIANA

30/06/2021 - UM ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA NO BRASIL

28/06/2021 - Reflexão do uso da fotografia como técnica expressiva no setting terapêutico: resgate de memórias

28/06/2021 - O Gambito da Rainha – o guia no porão e as imagens da alma

25/06/2021 - (RE) PENSAR A MATERNIDADE TARDIA SOB A PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA ANALÍTICA

24/06/2021 - GAIA NO ANTROPOCENO

24/06/2021 - Fantasia do Eu e o Mal

01/07/2021 - Os Grandes Sonhos: Uma Magnum Opus

24/06/2021 - Almas negras, brancas, vermelhas e amarelas, uma só alma

23/06/2021 - Marionetes do Self, dando Movimento e Voz as Imagens Arquetípicas

23/06/2021 - Falácia Parental, a culpa do destino dos filhos é exclusivamente dos pais?

25/06/2021 - Da Arte a Arteterapia

29/07/2021 - Quando a água bate é que se aprende a nadar

23/06/2021 - RAIVA: MORALMENTE CONTIDA, MENTALMENTE NÃO RECONHECIDA, EMOCIONALMENTE FERIDA

23/06/2021 - ORBIS SENSUALIUM PICTUS: A importância das imagens na obra de Jung

10/06/2021 - Livrai-nos do Mal. Amém!

02/06/2021 - A dificuldade de exposição pessoal dos psicoterapeutas