A ESTRUTURA NARRATIVA DOS SONHOS

A estrutura narrativa dos sonhos Psicologia Junguiana

O psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875-1961) chegou a analisar cerca de dois mil sonhos por ano. Baseado nesta experiência empírica, ele sugeriu que seria possível reconhecer um certo padrão estrutural nas narrativas oníricas.

Não por acaso, a estrutura dos sonhos observada por Jung apresentaria semelhança com a das estruturas narrativas clássicas, como a do drama (JUNG, 2012a § 561). Como se sabe, no campo da Comunicação e das Letars, há uma sólida tradição nos estudos sobre a forma das narrativas produzidas no estado de vigília, sendo que o primeiro relato conhecido foi proposto bem antes de Jung por outro estudioso europeu, o filósofo grego Aristóteles (384 a.C. - 322 a.C.), mais precisamente em A Poética (ARISTÓTELES, 2008).

Haveriam paralelos entre as narrativas oníricas observadas por Jung e as demais narrativas, como a que observamos hoje nos ecossistemas midiáticos? A princípio, não parece improvável propor a hipótese razoável positiva. Mas, caso ela se confirmasse, quais seriam as consonâncias e as divergências das narrativas produzidas pelos seres  humano no estado de vigília e no de sono?

No campo da teoria literária, um dos estudos mais clássicos de esquema narrativo foi proposto na década de 1970 pelo linguista búlgaro naturalizado Tzvetan Todorov 1939-2017) (TODOROV, 1970).

Para fins comparativos, empregaremos um modelo simplificado de análise da estrutura narrativa utilizado pelos críticos literários brasileiros Benjamin Abdala Júnior (ABDALA JUNIOR, 1995) (1995) e Cândida Vilares Gancho (GANCHO, 2006), que denomina como seis os principais elementos da narrativa: 1) enredo; 2) personagens; 3) tempo; 4) espaço; 5) narrador.

Ressaltamos que nas narrativas que ocorrem no estado de vigília, como as jornalístico-literárias, “tais elementos estão presentes em todas as formas de narrativa, independentemente, de serem ficcionais, históricas ou jornalísticas” (MARTINEZ et al., 2017). Mas estariam esses cinco elementos também presentes nos sonhos na perspectiva junguiana? Para investigar esta hipótese, vamos relacioná-los aqui à perspectiva junguiana, que sugere quatro fases: 1) indicação de lugar; 2) desenvolvimento da ação; 3) culminação ou peripécia; 4)  lise, solução ou o resultado produzido pelo sonho (JUNG, 2012b § 561-562). Este estudo não leva em consideração a estrutura mítica dos sonhos em sua relação com a construção de histórias de vida em jornalismo, que foi objeto de minha tese de doutorado (MARTINEZ, 2008), que será investigado posteriormente.

 

  1. Exposição: indicação de lugar, personagens e situação inicial (espaço / personagens / tempo)

Usamos para fins comparativos das narrativas oníricas relatos do próprio Jung e, das clássicas, um trecho da obra de Todorov extraído do Decameron do poeta italiano Giovanni Boccacio (1313-1375):

Um monge leva uma jovem a sua cela e faz amor com ela. O abade fica sabendo e se prepara para puni-lo severamente. Mas o monge percebe que o abade descobriu e prepara-lhe uma armadilha, deixando sua cela. O abade entra e sucumbe aos encantos da moça, enquanto o monge o observa, por sua vez. Quando finalmente o abade pretende punir o monge, este lhe faz notar que ele acaba de cometer o mesmo pecado. Resultado: o monge não é punido (I, 4). Isabetta, jovem monja, está com seu amante na cela. As outras freiras percebem, ficam com ciúmes dela e vão acordar a abadessa para que esta puna Isabetta. Mas a abadessa estava na cama com um abade; por isso tem de sair às pressas e põe os calções do abade na cabeça ao invés da coifa. Trazem Isabetta à igreja e a abadessa começa a fazer-lhe um sermão, quando Isabetta nota os calções em sua cabeça. Ela os aponta a todos; assim a punição é evitada (IX, 2) (TODOROV, 1970, p. 83).

A narrativa, como pode ser observada, principia pela indicação de local, no caso a cela do religioso. Jung observa esta mesma característica na análise dos sonhos:

O sonho começa, por exemplo, com uma indicação de lugar, como “Vejo-me numa rua; é uma avenida (1): ou “Acho-me num grande edifício que me lembra um hotel” (2) etc. (JUNG, 2012a § 561).

O espaço parece ser comum a ambas expressões narrativas, oníricas e no caso ficcional. No primeiro caso, literário, estamos falando do que o jornalista-escritor estadunidense Tom Wolfe chamaria, na década de 1970, de símbolo de status de vida (WOLFE, 2005; WOLFE; JOHNSON, 1973). Isto é, a simples descrição de que a narrativa principia numa cela de um monge celibatário, ainda que econômica, permite ao leitor visualizar, por meio de imagens endógenas (BELTING, 2007), um quarto parcamente mobiliado.  Já no caso dos sonhos também estamos no campo simbólico, mas não social e sim pessoal, no caso dos sonhos pequenos e médios, como Jung os define (JUNG, 2012, § 561).

O que significa que, tanto no contexto junguiano quanto no das narrativas tradicionais, as palavras usadas não têm apenas um único sentido, ou que este sentido não é comum a todos. No caso específico do relato de um sonho, estes significados são latentes, uma vez que ainda não foram assimilados pelo consciente. É preciso, portanto, que o analista e o analisando descubram, em conjunto, o que aquele grande edifício, por exemplo, significa para aquele indivíduo em particular, uma vez que o sonhador mesmo evocou que ele parece um hotel.

    1. Tempo

As indicações de lugar são frequentes em ambos casos, mas o mesmo não acontece nas indicações temporais. Estas ocorrem com frequência no caso das narrativas tradicionais, sendo uma condição sine qua non nos relatos jornalísticos, por exemplo. Já segundo Jung o mesmo não pode ser dito no caso dos sonhos, onde as indicações de tempo “são mais raras” (JUNG, 2012a § 561).

    1. Personagens/narrador

Como são feitas por seres humanos para seres humanos, as narrativas, sejam de qualquer natureza, demandam personagens. Na narrativa medieval escrita por Boccaccio, por exemplo, há um casal que desencadeia a história com seu amor proibido. Após a indicação de lugar, o mesmo costuma ocorrer no universo dos sonhos:

Segue-se, muitas vezes, uma indicação referente aos personagens da ação: por exemplo: “Saio a passear com meu amigo X em um parque público. Numa bifurcação me encontro, de repente, com a senhora F” (3); ou: Estou sentado num compartimento da estrada de ferro em companhia de meu pai e minha mãe”(4); ou: “Estou de uniforme militar, cercado por numerosos camaradas de serviço (5); etc. (JUNG, 2012a § 561)

Aqui se evidencia uma das grandes diferenças do método de ampliação de sonhos junguiano em relação aos estudos jornalístico-literários das narrativas. No caso da análise junguiana, há uma distinção entre o objeto e o sujeito. Isso significa que, ainda que o sonhador conheça os personagens, vamos supor a senhora F, trata-se não dela propriamente dita, mas de uma representação que o sonhador está projetando sobre ela, como se fosse um suporte ou uma tela.

Portanto, no caso do sonho, a senhora F não representa ela mesma, mas a representação imagética que o sonhador dela faz. Para compreendê-la, como no caso do grande edifício que lembra ao sonhador um hotel, é preciso entender que a imagem guarda apenas uma relação exterior com o objeto. É preciso também neste caso que o analista mergulhe, com o sonhador, no que Jung chama de reconstituição do contexto. Que consiste, segundo ele, em “procurar ver, através das associações do sonhador, para cada detalhe mais saliente, em que significações e com que nuança ele lhe aparece” (JUNG, 2012 § 542).

Neste âmbito, a análise literária e a análise dos sonhos guardam alguma relação. “Meu modo de proceder não difere daquele usado para decifrar um texto difícil de ler (JUNG, 2012 § 542). Ainda assim, não há garantia de se familiarizar totalmente com o conteúdo. “O resultado obtido com esse método nem sempre é um texto imediatamente compreensível, mas muitas vezes não passa de uma primeira e preciosa indicação que comporta inúmeras possibilidades” (JUNG, 2012 § 542).

Há outro ponto essencial para se compreender a linguagem dos sonhos no quesito personagens. “Toda a elaboração onírica é essencialmente subjetiva e o sonhador funciona, ao mesmo tempo, como cena, ator, ponto, contrarregra, autor, público e crítico” (JUNG, 2012 § 510). Em outras palavras, “todas as figuras do sonho [são] (...) traços personificados da personalidade do sonhador (JUNG, 2012 § 510). Todas são representações geradas pelo inconsciente do que, em análise discursiva literária, seriam designados por narrador/autor.

  1. Desenvolvimento da ação (enredo)

A seguir temos o que Aristóteles chamaria de intriga (ARISTÓTELES, 2008), a sequência de ações que dá início ao enredo propriamente dito. Ao saber o que está acontecendo, o abade se prepara para punir o monge quando... Um jovem monja está com seu amante na cela, as freiras com ciúme a delatam à abadessa que....

Jung chama esta segunda fase da estrutura onírica de desenvolvimento da ação.

Vejo-me na rua; é uma avenida. Ao longe aparece um automóvel que se aproxima rapidamente. Sua maneira de movimentar-se é estranhamente insegura, e eu penso que o motorista deve estar embriagado” (1). Ou “A Sra. F. parece muito excitada e quer me sussurrar rapidamente qualquer coisa que meu amigo não pode ouvir”(3). A situação se complica de uma forma ou de outra, e se estabelece uma certa tensão, porque não se sabe o que vai acontecer (JUNG, 2012b § 562).

Na fase a seguir, o psiquiatra suíço recuperará um termo aristotélico relativo às narrativas, peripécia, que tem a função de alterar o curso dos acontecimentos em geral de maneira inesperada.

  1. Culminação ou peripécia

Nesta fase proposta por Jung, acontece algo de decisivo que altera radicalmente a situação. Um exemplo: “De repente sou eu que estou no carro e aparentemente sou eu mesmo o motorista embrigado” (JUNG, 2012a § 563). Nesse caso em particular, a linguagem onírica faz uma relação direta com a figura do narrador. “Mas não estou embriagado. Estou apenas estranhamente inseguro e como que sem a direção do carro. Não consigo mais controlar o carro e vou com ele de encontro a um muro com grande barulho (1)” (JUNG, 2012a § 563). Outro exemplo: “De repente a Sra. F. fica lívida como um cadáver e cai desmaiada no chão (3)” (JUNG, 2012a § 563).

Se fôssemos comparar este excerto com o trecho extraído de Boccaccio, teríamos: ao saber da aventura amorosa do monge dentro de sua abadia,   o abade se prepara para puni-lo, mas também cai em tentação com a jovem deixada sozinha na cama.  Com ciúmes da jovem monja, as freiras a denunciam para a abadessa, mas ela estava na cama com um abade e, na pressa de se vestir, num ato falho como diria o psicanalista alemão Sigmund Freud (1856-1939),  coloca na cabeça o calção dele em vez da coifa, isto é, da sua touca.

  1. Lise, solução ou resultado

No caso da narrativa literária, o monge mostra ao abade que ele cometeu o mesmo pecado. Já a  abadessa começa a fazer em seu púlpito um sermão para a monja, que aponta o calção do abade na cabeça dela na frente de todos. Em ambos os casos, a punição é evitada (IX, 2) (TODOROV, 1970, p. 83).

E no caso dos sonhos? Jung diz que nem todos apresentam esta quarta fase, mas oferece alguns exemplos.

“Observo que a parte dianteira do carro ficou toda amassada. É um carro alheio, que eu desconheço. Eu próprio nào estou ferido. Reflito com certa preocupação sobre minha responsabilidade” (1). Ou: “Pensamos que a Sra. F. está morta. Mas trata-se, evidentemente, de um desmaio passageiro. Meu amigo X exclama: “É preciso que eu vá buscar um médico” (3). A última fase mostra-nos a situação final que é, ao mesmo tempo, o resultado “procurado”. No sonho 1 é evidente que, depois de uma certa confusão de descontrole, surge uma nova consciência reflexa, ou, antes, deveria surgir, porque o sonho é compensador. No sonho 3 o resultado consiste na ideia de se aconselhar a assistência de uma terceira pessoa que seja competente. (JUNG, 2012ª § 564).

Como ficariam estes sonhos em relação aos seus sonhadores? 

O primeiro indivíduo (1) é um homem que perdeu um pouco a cabeça em circunstâncias difíceis e receava que acontecesse o pior. O segundo sujeito (3) estava em dúvida quanto se devia ou não recorrer ä ajuda da psicoterapia para a sua neurose. Naturalmente estas indicações não constituem ainda a interpretação so sonho; elas apenas esboçam a situação inicial. (JUNG, 2012ª § 565).

Jung ressalta que “essa divisão em quatro fases pode ser aplicada, praticamente sem dificuldade especial, à maior parte dos sonhos, uma confirmação de que o sonho em geral tem uma estrutura “dramática” (JUNG, 2012ª § 565).

A nosso ver, o resultado deste nosso estudo também sugere que há correlação dos estudos de narrativas produzidas e lidas no estado de vigília com as narrativas oníricas, revelando-se um campo fértil em que novas pesquisas podem ser desenvolvidas no futuro.

Referências

ABDALA JUNIOR, B. Introdução à análise da narrativa. São Paulo: Scipione, 1995.

ARISTÓTELES. Poética. 3. ed. Lisboa: Gulberkian, Fundação Calouste, 2008.

BELTING, H. Antropologia de las imagens. Madri: Katz, 2007.

GANCHO, C. V. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 2006.

JUNG, C. G. Da essência dos sonhos. In: A natureza da psique. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012a. p. 235–253.

JUNG, C. G. A aplicação prática da análise dos sonhos. In: Ab-reação, análise dos sonhos e transferência (OC 16/2). 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012b. p. § 294-352.

MARTINEZ, M. Jornada do Herói: estrutura narrativa mítica na construção de histórias em jornalismo. 1. ed. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008.

MARTINEZ, M. et al. Assessoria de imprensa, narrativas midiáticas e saúde: simbiose de fontes, jornalistas, leitores, personagens e afetos. Intexto, v. 38, n. jan-abr, p. 197–224, 2017.

TODOROV, T. As estruturas narrativas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1970.

WOLFE, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

WOLFE, T.; JOHNSON, E. W. The new journalism. New York: Harper & Row, 1973.

 

Dra. Monica Martinez, analista em formação do IJEP - Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa

analisejunguianasp@gmail.com


Monica Martinez - 24/03/2020