PESQUISA EM PSICOTERAPIA

Pesquisa em psicoterapia Psicologia Junguiana

A Psicologia Junguiana tem muitos pontos fortes, mas ao menos um ponto frágil em relação às outras abordagens: a pesquisa. Para fins de comparação internacional, se pesquisarmos no portal PubMed® o termo “acceptance and commitment therapy”, uma das modalidades da comportamental, obtemos o resultado de 1.297 textos completos (no período 1975-2021). Já para “jungian psychology” são 33 resultados (1973-2021) e 45 para “depth psychology”, se quisermos rastrear outro nome pelo qual esta escola também é chamada. O PubMed”, como se sabe, é um mecanismo de busca da base de dados MEDLINE, que congrega mais de 33 milhões de citações e resumos de artigos científico em biomedicina, sendo ligado à National Library Medicine, a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos.

Podemos dizer, portanto, que pesquisa em psicoterapia em geral tende a ser vista com cuidado pela própria natureza humana que envolve, mas que em outras áreas da Psicologia ela ocupa um espaço significativamente maior e, por extensão, recebe mais aportes de financiamento para a condução de novos estudos. Trata-se do axioma Tostines.  Quem tem mais idade talvez se lembre do slogan da bolacha Tostines: “vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho por que vende mais?”.

Do ponto de vista da psicoterapia junguiana, inserir a noção de pesquisa na clínica – leia-se penetrar no têmenos, o vaso sagrado e hermético que se constitui o setting terapêutico – é algo que está longe de ser um consenso. Além disto, pesquisas conduzidas de forma séria com seres humanos na contemporaneidade exigem a aprovação por comitês de ética institucionais em todo o mundo para serem legitimadas junto às suas respectivas comunidades científicas. 

De fato, a interação psíquico-corporal que se forma no vínculo terapêutico em análise junguiana, bem como a intuição do terapeuta, muitas vezes é determinante no modo como o processo será conduzido. Contudo, desde a sua origem – não nos esqueçamos que Freud e Jung eram médicos – a referência ao conhecimento clínico vigente é importante. O conhecimento psicológico e médico, claro, evoluem conforme as próprias áreas avançam, uma vez que estão localizados num tempo e espaço específicos. Prova é que muitos dos termos das patologias registradas na literatura pelos pioneiros da psicanálise não estão mais em uso, como histeria. Outros mudaram de nome. Esquizofrenia, o termo usado hoje, na época de Jung era conhecido como demência precoce.

Por isso, dada a sua importância, a pesquisa em psicoterapia não deve ser subestimada e, possivelmente, tenderá a crescer. O diálogo entre as áreas provavelmente aumentará. Como e quando ainda será motivo de muito debate na área. Com isso não se quer dizer que nós, terapeutas junguianos, viraremos seguidores passivos do DSM-5, o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, que diagnostica transtornos mentais. Nem da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, mais conhecida como CID (atualmente na versão 10, mas com previsão de atualização para 11 em 2022).

Os sintomas são um dos pilares da Psicologia Junguiana, sobretudo a partir da sua perspectiva simbólica. Por outro lado, a pesquisa gera resultados que podem ser vitais para a qualidade e a eficácia da terapia, em particular as metanálises, que são aqueles estudos que comparam os resultados de um leque grande de investigações precedentes.

Mas como unir as duas vertentes, respeitando, na medida do possível, ambas? A meca dos estudos junguianos parece indicar ser um caminho possível. A mais recente newsletter do instituto junguiano de Zurique, datada de 7 de novembro de 2021, dá conta da criação em 30 de outubro de 2021 do Research Funding Association for Analytical Psychology (FoFöV), em tradução livre a Associação de Financiamento de Pesquisa para Psicologia Analítica (HORN, 2021).

O FoFöV surge como resposta à pressão existente para o recredenciamento na primavera de 2022 dos cursos de formação do C.G. Jung Institute 2022 junto ao Federal Office of Public Health (FOPH), Escritório Federal de Saúde Pública da Confederação Suíça. Sinaliza, portanto, uma tendência do próprio coração dos estudos junguianos em dedicar mais recursos à área científica.

Outra mudança de paradigma importante: a partir de 1 de outubro de 2021, os novos pacientes do ambulatório do Instituto C.G. Jung, em Zurique, receberão a aplicação de dois instrumentos. O primeiro é o formulário de avaliação HoNOS (Health of the Nation Outcome Scale para pessoas na faixa etária de 18 a 64 anos), bem como suas variantes etárias, o HoNOS-CA (para crianças e adolescentes) e o HoNOS 65+ (para pessoas com mais de 65 anos), com respectivamente 12, 13 e 12 itens). Estes instrumentos permitem aferir o comportamento, deficiências, sintomas e funcionamento social do paciente, tendo sido idealizados pelo Royal College of Psychiatrists, do Reino Unido. Para iniciar o tratamento, o paciente receberá para preencher em casa um segundo instrumento, a folha de autoavaliação BSCL (Brief Symptom Checklist, com 53 questões em 10 escalas). O uso destes dois instrumentos tem como proposta oferecer, ao terapeuta, informações básicas sobre a saúde física, emocional e mental do paciente. Estarão sendo utilizados também ao término do tratamento, permitindo refletir sobre o percurso do mesmo. Segundo a newsletter, a ideia não é a de que seja feito um diagnóstico por meio dos instrumentos, mas uma avaliação descritiva.

Em adição, a partir de 1º de janeiro de 2022, todos os alunos dos programas de formação do Instituto C. G. Jung em Zurique, que trabalham com pacientes como parte de seu estágio, deverão igualmente ser treinados em usar esses dois instrumentos. Os dados recolhidos serão usados pelos alunos para os relatórios de caso que devem apresentar para os exames de diploma e a Comissão de Pesquisa do Instituto Jung.

Será interessante acompanhar a experiência. No caso brasileiro, talvez não se queira seguir nem a proposta britânica do HoNOS, nem a estadunidense do DSM ou a internacional do CID. Ainda assim, há outras que podem ser consideradas, como a versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida proposto pela Organização Mundial de Saúde, mais conhecida pela sigla WHOQOL-bref. Estudos brasileiros apontam que este instrumento composto de 26 questões divididas em quatro domínios (físico, psicológico, relações sociais e meio ambiente) apresentam consistência e qualidade de critério, entre outras na avaliação de qualidade de vida no país (FLECK et al., 2000). Mas, claro, é sempre um tema a ser debatido pela comunidade científica de analistas e pesquisadores do campo.

O Ijep emprega o Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp, de Marilda Emmanuel Novaes Lipp, no Curso de Psicossomática. Nos demais, no presente momento, encontra-se em fase de estudo a adoção do mesmo ou de outro instrumento.

 

Monica Martinez - analista em formação pelo IJEP

Analista Didata – Waldemar Magaldi

 

Referências

FLECK, M. P. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 178–183, abr. 2000.

HORN, A. Founding of the Research Association for Analytical Psychology (FoFöV). C. G. Jung Institute Newsletter, 7 nov. 2021.

Lipp, M. E. N. (2000). Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo.      


Monica Martinez - 30/11/2021