SAINDO DA FLORESTA COM OBALUAÊ: UM RESGATE SIMBÓLICO DA SAÚDE MENTAL DOS BRASILEIROS EM 2021

Saindo da floresta com Obaluaê: um resgate  simbólico da saúde mental dos brasileiros em 2021 Psicologia Junguiana

Em dezembro de 2020 foi publicado no site do IJEP um artigo de minha autoria, “Revivendo o Mito de Atlas: uma visão analítica do sofrimento durante a quarentena de 2020”. Naquele momento, por um lado havia um cenário promissor com a expectativa da chegada da vacinação ao nosso país, que ocorreria possivelmente no primeiro semestre de 2021. Por outro lado, uma nova variante do vírus surgia. Houve, então, uma nova onda de contágio e o aumento expressivo no número de mortes no primeiro semestre de 2021, chegando ao seu apogeu em abril, mês que contabilizou mais de 82.000 mortes, segundo o consórcio de veículos de imprensa, a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. No momento em que escrevo este artigo, em novembro de 2021, o Brasil contabiliza mais de 612 mil mortes por COVID-19, com cerca de 22 milhões de casos da doença registrados, também segundo o consórcio de veículos de imprensa. Esta fonte indica ainda que cerca de 60% da população brasileira encontra-se totalmente vacinada contra a COVID-19. Muitos países estão iniciando o processo de retorno às suas atividades, mantendo as medidas de segurança e distanciamento social, ainda que alguns países da Europa estejam lidando com uma nova onda da pandemia por motivos distintos da nossa realidade local. No Brasil, entretanto, já existe no horizonte a possibilidade de uma retomada à “normalidade” que caracterizava a vida que tínhamos antes do coronavírus, ainda que tenhamos de continuar seguindo medidas de proteção, como o uso de máscaras e o distanciamento social. Certamente, essa retomada só está sendo possível pelo fato de finalmente termos alcançado um estado consistente no ciclo de vacinação da população, que nesse momento atinge cerca de 60% da segunda dose da vacina em território nacional, com início da aplicação da terceira dose.

Escrevo este artigo, no entanto, para discutir os efeitos da pandemia na saúde mental da população brasileira depois desse longo período de convivência com a doença e com as mortes e para apresentar o mito de Obaluaê, como uma possibilidade simbólica de saída desta situação de mal-estar coletivo trazida pela pandemia. A COVID-19, além de deixar sequelas físicas nas pessoas que foram por ela infectadas, deixou também sequelas mentais na população mundial e, em especial, no Brasil, onde além do vírus, uma crise política, econômica e social se alastrou com a mesma virulência do coronavírus.

Segundo matéria publicada na BBC News Brasil (2021), onde foi divulgado o resultado da pesquisa do Instituto Ipsos, encomendada pelo Fórum Econômico Mundial, 53% dos brasileiros declararam que seu bem-estar mental piorou um pouco ou muito no último ano. Essa porcentagem só é maior em quatro países: Itália (54%), Hungria (56%), Chile (56%) e Turquia (61%).

Já a Fundação Dom Cabral e o Talenses Group publicaram em junho de 2021 uma pesquisa sobre os “Impactos da Pandemia na Saúde Mental dos profissionais”. A pesquisa contou com cerca de 573 entrevistados e mostrou que 74% dos profissionais brasileiros foram afetados mentalmente pela pandemia. Entre as principais causas deste impacto foram mencionadas pelos entrevistados:

  • tristeza ou preocupação pela situação em que a sociedade se encontra.
  • tristeza pela perda de um familiar ou amigo querido.
  • ansiedade relacionada aos riscos da pandemia para a vida.
  • falta de perspectiva para traçar planos futuros.
  • medo de perder o emprego.
  • aumento da pressão da gestão no ambiente profissional.

 

Do total de entrevistados, 40% apontaram a ansiedade como o principal transtorno mental observado durante a pandemia, seguido pela depressão (22%), síndrome de burnout (20%) e crise de pânico (12%). A chegada da pandemia parece, portanto, ter apenas exacerbado a situação de deterioração psicológica que já vinha se impondo à população mundial, segundo a OMS, conforme esclarece o psiquiatra e psicanalista brasileiro Joel Birman, em seu livro “O Trauma na Pandemia do Coronavírus”, ao explicar que:

A OMS enunciava repetidamente, desde 2018, que a saúde mental deveria ter destaque especial no campo da saúde coletiva e em escala internacional, pois depressão foi considerada, desde então, o maior problema de saúde pública, do estrito ponto de vista epidemiológico. (BIRMAN, 2021, pág.22)

 

Em termos de política de saúde pública, o distanciamento social se mostrou a forma mais eficaz de prevenção ao vírus, enquanto ainda não se dispunha de uma vacina. Porém, em função do tempo prolongado da quarentena, este distanciamento trouxe também consequências emocionais e psíquicas a todas as pessoas, independentemente da idade ou da classe social, ainda que aquelas das classes mais baixas tenham certamente sido prejudicadas em grau muito mais alarmante, em função da precariedade sanitária e social a que essa população se encontra historicamente submetida no Brasil, principalmente em grandes centros urbanos.

Em meus atendimentos, os clientes, especialmente os que moravam sozinhos, traziam como tema recorrente na análise a falta que sentiam do contato físico e do convívio social, além da solidão imposta pelo desafio de “ficar em casa” - expressão que passou a ser utilizada para se referir ao isolamento social. Tenho ouvido constantemente a expressão “cansaço do isolamento social”, e queixas sobre a exaustão física e mental advindas da obrigatoriedade de se relacionar com outro ser humano apenas pela tela do computador diariamente durante muitas horas, por vezes ininterruptas, seja para trabalhar ou estudar. A esse respeito, Birman nos lembra de nossas origens latinas ao discutir as bases culturais de nossa necessidade de contato físico, explicando que:

No que concerne a esse tópico, não se pode esquecer, o que seria ética e teoricamente imperdoável, que, como brasileiros, somos culturalmente latinos. A interdição de toques, beijos e carícias, que se consubstanciam como proximidades corporais e que caracterizam o nosso estilo de existência nos registros éticos e estéticos, nos afeta bem mais do que aos indivíduos de países norteados pelas tradições anglo-saxônicas, nórdica e asiática, onde o distanciamento corporal já estaria instituído cultural e socialmente há muito tempo nas histórias e nas mentalidades dessas diferentes tradições. (BIRMAN, 2021, pág.91)

 

O distanciamento físico, porém, não pôde ser mantido por todos, de modo minimamente equivalente, mais uma vez em função da desigualdade social e da pobreza em nosso país. Assim, a recomendação para “ficar em casa” não foi uma medida possível para uma parte considerável da população, que convive com um número grande de familiares em espaços extremamente pequenos, muitas vezes sem acesso à infraestrutura básica, como água e esgoto. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019 havia cerca de 5 milhões de domicílios em 13.152 “aglomerados subnormais”, termo utilizado pelo IBGE para se referir às favelas do Brasil. Para esta população, manter o distanciamento social e as práticas de prevenção básicas, como lavar as mãos, é um desafio quase impossível de ser praticado no dia-a-dia, o que prejudicou significativamente a expectativa de sobrevida dessas pessoas em meio à pandemia.

Além disso, nem todos os brasileiros puderam usufruir da modalidade de trabalho home-office. Expor-se ao vírus diariamente já constitui, por si só, um estresse mental exacerbado. Entretanto, profissionais de saúde e de serviços essenciais continuaram a exercer suas atividades, contando com as medidas de prevenção, sim, mas com muito medo de sair de casa e de serem contaminados, o que acabou acontecendo, infelizmente, em muitos casos.

Outro fator que certamente tem sua contribuição para a piora da saúde mental no Brasil é o desemprego. Segundo o IBGE (2021), 14,7% da população ativa do Brasil estava desempregada no primeiro trimestre de 2021. Segundo a mais recente Pnad Contínua, o desemprego era de 13,2% no trimestre encerrado em agosto de 2021. Embora essa taxa tenha caído levemente, ela aponta, ainda, que 31,1 milhões de pessoas estavam subutilizadas e 73,4 milhões estavam fora da força de trabalho. Além disso, segundo essa pesquisa, o “Brasil deve amargar uma década de desemprego alto”, sendo que o “país voltaria ao nível de pleno emprego só a partir de 2026”, o que certamente contribuirá para a manutenção dessa variável como uma das mais relevantes para o alto nível de estresse e a piora da saúde mental do brasileiro.

Sem emprego e sem assistência médica, esta parcela da população teve como única forma de sobrevivência os parcos recursos disponibilizados pelo governo como medida assistencial de emergência e o acesso ao Sistema Único de Saúde (SUS), já sobrecarregado pela pandemia. A sobrecarga no sistema de saúde trouxe também um outro efeito colateral, que foi o abandono ou a impossibilidade de tratamento por pacientes de doenças crônicas, levando, portanto, a um aumento de mortes por outras causas.

Analisando também o “Relatório de Atendimento do CVV (Centro de Valorização da Vida)”, com os números de atendimentos atualizados até o segundo trimestre de 2021 (abril, maio e junho), foi possível notar um aumento de cerca de 20% no número total de atendimentos, comparando com o mesmo período do ano anterior. Os estados de São Paulo e Minas Gerais lideraram o ranking de ligações. Isso não deve ser apenas coincidência, uma vez que São Paulo é o estado brasileiro que contabiliza o maior número de mortes por COVID-19 até agora, e o estado de Minas Gerais encabeça o maior crescimento do número de mortes em 2021, comparado ao ano passado.  

O luto decorrente da morte de milhares de pessoas, a insegurança política, e o cenário econômico e social brasileiro intensificaram os efeitos trazidos pelo vírus, o que resultou num trauma significativo, do ponto de vista da saúde mental. Trauma, segundo o Dicionário Michaelis, tem como significado “uma vivência profunda (medo, susto, perda, etc.) que pode ocasionar sentimentos ou comportamentos desordenados e perturbação neurótica posterior” (TRAUMA, 2021). Avaliando as estatísticas e o cenário econômico, social e psicológico brasileiro, entendo que a expressão “trauma” se enquadra perfeitamente no panorama atual.

Resgatando agora as contribuições de Jung, os trabalhos reunidos sob o título Civilização em Transição (OC v. 10/3), procuraram discutir e entender as questões que levaram a humanidade à Primeira e à Segunda Guerra Mundial.  Lendo-os hoje percebo como esses textos seguem atuais, na medida em que discutem o relacionamento do indivíduo com a sociedade, além dos riscos de massificação em situações de regressão psicológica coletiva. Na obra Presente e Futuro (OC v. 10/1) Jung coloca, ao se referir ao paciente, que “ele é um microcosmo social que reflete em pequena escala as características da grande sociedade ou, ao contrário, o indivíduo é a menor unidade social a partir da qual resulta, por acúmulo, a dissociação coletiva” (JUNG, 1957/2013, § 553).

A ansiedade, a depressão, a angústia que nos deparamos quando olhamos para todas estas estatísticas nos mostram quão adoecida nossa sociedade se encontra, após mais de um ano e meio do início da pandemia. Assim, cabe a nós analistas estarmos atentos aos desdobramentos socioeconômicos que marcam nosso momento histórico, pois eles também interferem nas condições psíquicas dos pacientes que atendemos, conforme explica Jung no Prefácio a” Ensaio sobre História Contemporânea”:

Por razões práticas, a psicoterapia médica deve se ocupar da totalidade da psique. Neste sentido, ela precisa discutir e considerar todos os fatores que influenciam de maneira decisiva a vida psíquica, sejam de ordem biológica, social ou espiritual. A situação de uma época como a nossa, conturbada em alto grau pelas paixões políticas, abalada pelo caos de revoluções de Estado e pela derrocada dos fundamentos da cosmovisão, afeta de tal maneira o processo psíquico do indivíduo que o médico não pode deixar de dedicar uma atenção especial aos efeitos que provoca na psique individual. (JUNG, OC v. 10/2, 1946/2012, pág.11).

 

Jung continua seu raciocínio, enfatizando que “o médico é o responsável por seus pacientes e por isso não pode, de maneira alguma, isolar-se na ilha distante e tranquila de seus trabalhos científicos” (JUNG, OC v. 10/2, 1946/2012, pág. 11). Penso que esse alerta de Jung cabe totalmente aos desafios de nosso momento atual, especialmente quando ele complementa dizendo que “para o terapeuta, a compreensão do “espírito do tempo” não é apenas um dever como cidadão, trata-se de uma obrigação, “de um compromisso com o homem (JUNG, idem, idem). Coloca ainda que “o terapeuta não pode prescindir de uma discussão com o seu tempo por mais que o alarido político, o embuste da propaganda e o grito desafinado dos demagogos lhe causem repugnância” (JUNG, ibidem, pág.12).

           Resgatando a análise feita por Jung (OC v. 10/2), quando ele se debruça sobre os eventos de seu tempo histórico e apresenta Wotan como o arquétipo constelado durante a Primeira e a Segunda Guerra, podemos entender melhor seu ponto-de-vista psicológico e histórico. Ao nos voltarmos para a figura arquetípica de Wotan ou Odin, como é conhecido na mitologia dos países nórdicos, vemos que ele é o “senhor da guerra, do conhecimento mágico e da poesia, o patrono dos mortos em combate e enforcados. Nele, o temível guerreiro se junta ao feiticeiro capaz de acordar os mortos do sono eterno” (ANDERSEN, 2021, pág.101). Jung o chama de “antigo deus da tormenta e da embriaguez” (JUNG, 1957/2013, § 373) que permaneceu em repouso histórico e despertou na Alemanha da década de 1930. E explica que “os arquétipos são como leitos de rios, abandonados pela água, mas guardando sempre a possibilidade de retornar depois de um certo tempo” (idem, § 395). Porém, Jung esclarece que “o arquétipo dominante não se mantém sempre o mesmo” (ibidem, § 396).

          Pensando nesta análise arquetípica proposta por Jung para aquele evento histórico dramático que foi a Segunda Grande Guerra, e traçando um paralelo simbólico do despertar de Wotan na Alemanha com os efeitos da pandemia da Covid-19 no Brasil, proponho resgatarmos uma divindade de nossa herança cultural brasileira, onde a mitologia Iorubá tem presença marcante e é mantida viva, especialmente através dos cultos Afro-Brasileiros, para atualizarmos o mito possivelmente constelado nestes tempos pandêmicos.

         Apresento, então, o arquétipo de Obaluaê, cuja chegada estamos esperando nestes quase dois anos de pandemia. Senhor da peste, das doenças infecciosas, da morte e do equilíbrio mental, ele personifica nessa mitologia o curador ferido, aquele que conhece os mistérios e segredos da doença e de sua respectiva cura. Conta-nos o mito que Obaluaê saiu de casa muito cedo, em busca de emprego. Pediu esmola, foi morar na floresta e, depois de muito tempo, doente e coberto de pústulas, ouviu um chamado que dizia que estava pronto para se levantar e cuidar do seu povo, que estava sendo consumido pela doença. Curado, saiu da floresta com suas cabacinhas com água e remédios, chamados atós, que aprendeu a usar durante seu período de isolamento. Com sua vassoura mágica, que é o seu símbolo, chamado xaxará, varreu a peste da face da Terra (PRANDI, 2001, págs. 204 e 205).

        Finalizo esse artigo esperando que possamos também, como brasileiros, ouvir um chamado para sair da floresta e criar uma nova vida, deixando para trás nossas mazelas. E que Obaluaê, com seu xaxará, nos conduza por entre as névoas destes tempos sombrios, para que possamos enfrentar a sombra dos nossos complexos culturais para encontrarmos o caminho da cura e da renovação de nossa alma e da alma do mundo.

 

Leila Cristina Montanha – Membro analista em formação do IJEP.

Santina Rodrigues – Membro didata do IJEP.

 

REFERÊNCIAS:

ANDERSEN, Hans Christian. Mitos e Sagas/Hans Christian Andersen, Snorri Sturluson; traduzido por Fátima Pinho, Juliana Garcia. Cotia, SP: Pandorga, 2020.

BBC BRASIL. Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa. BBC News | Brasil, 14 de abr. de 2021 disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-56726583>; acesso em: 28 de ago.de 2021.

BIRMAN, J. O Trauma na Pandemia do Coronavírus: suas dimensões políticas, sociais, econômicas, ecológicas, culturais, éticas e científicas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

CATACCI, Mariana. Dezoito estados brasileiros registram mais mortes por covid-19 em 2021 do que em 2020. CNN Brasil, 25 de maio de 2021 às 21:27, disponível em: <https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/18-estados-brasileiros-registram-mais-mortes-por-covid-19-em-2021-do-que-em-2020>; acesso em: 09 de set. de 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAPNAD Continua - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, Agosto/21 disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=series-historicas>; acesso em: 16 de nov. de 2021.

ABRIL foi o mês mais letal da pandemia de Covid no Brasil, com mais de 82 mil mortes. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 de abr. de 2021, Disponível em: < https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/04/abril-foi-o-mes-mais-letal-da-pandemia-de-covid-no-brasil-com-mais-de-82-mil-mortes.shtml >; acesso em: 14.nov.2021.

JUNG, C. G. Aspectos do Drama Contemporâneo. In Obra Completa de C. G. Jung v. 10/2, 5ª ed., Petrópolis: Vozes, 1946/2012

__________. Civilização em Transição. In Obra Completa de C.G. Jung v. 10/3, Petrópolis: Vozes, 2011

__________. Presente e Futuro. In Obra Completa de C. G. Jung v. 10/1, 8ª ed., Petrópolis: Vozes, 1957/2013

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. 1ª ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2001

Relatório Nacional de Atividades do CVV (Centro de Valorização da Vida), 2º trimestre de 2021 (abril, maio, junho)  disponível em: <https://www.cvv.org.br/wp-content/uploads/2021/07/CVV-Relatorio-2-Trimestre-2021_FINAL.pdf>; acesso em 09 de set. de 2021.

TALESES GROUP: O Impacto da Pandemia na Saúde Mental dos Profissionais. 2021. C-talks, junho/21 disponível em: <https://talensesgroup.com/insights/ler/pesquisa-or-os-impactos-da-pandemia-na-saude-mental-dos-profissionais>; acesso em 28 de ago. de 2021.

TRAUMA. In: MICHAELIS, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Editora Melhoramentos: 2021. Disponível em: <https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/trauma/>; acesso em: 09 de set. de 2021.


Leila Montanha - 30/11/2021