SOBRE TÉCNICAS E EXPRESSÕES CRIATIVAS

SOBRE TÉCNICAS E EXPRESSÕES CRIATIVAS expressão criativa

No setting diário das práticas arteterapêuticas temos uma separação com relação ao que seria técnica e o que é expressão criativa. Mas isso ainda paira como dúvida quando abordamos esses termos dentro da dinâmica da Arteterapia e de metodologias artísticas com um público que não sabe direito a proposta da terapia pela arte, são sentenças que se misturam apesar de conseguirmos desassociar bem dentro do processo analítico.

Ao nos depararmos com as nomenclaturas de expressão criativa e técnicas logo vem a mente a frase de Jung: “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” Vemos essa frase ser reproduzida compulsivamente pelos sites e redes sociais que trabalham processos terapêuticos e autoconhecimento, mas olhar, de verdade, com “olhar analítico” podemos entender a profundidade do que Jung quis dizer com isso. Aqueles que passeiam pelos caminhos terapêuticos com expressões criativas, de certo, já compreenderam que aprender técnicas não é suficiente para mergulhar no inconsciente e vivenciar com toda a verdade o processo terapêutico.

As teorias e as técnicas servem para os profissionais ou clientes “criantes” ganharem escopo e conteúdo para poder transgredir. Acredito que conhecer as ferramentas é muito importante para o arteterapeuta, quando a gente entende a técnica e como se usa de forma acadêmica determinado material ganhamos potência para fazer diferente e criar em cima daquilo que aprendemos “em sala de aula”. A capacidade de criação vem de saber que aquilo tem determinados efeitos, e esses efeitos podem ser trabalhados de mil maneiras. Os artistas entendem o material, eles se preocupam com a estética, mas sabendo e experimentando dentro da sua proposta; diferente deles o terapeuta que se utiliza de expressões criativas como ferramenta ou o arteterapeuta, entram em dinâmicas muito mais profundas pois a técnica muitas vezes é insuficiente, precisa de “alma”, alma como ponte para essa condução de inconsciente para o consciente. O próprio Jung fala que a psicoterapia não pode ficar rígida numa “técnica”.

O que poderia lançar mais luz sobre o fato de que a psicoterapia não é simples “técnica” do que a multiplicidade de técnicas, de opiniões, de “psicologias” e de premissas filosóficas (ou de falta delas)? Não é precisamente esta multiplicidade e contraditoriedade que mostram tratar-se de algo bem superior do que mera “técnica”? Uma técnica pode ser modificada e incrementada por todo tipo de receitas e artifícios; e todos receberão muito bem qualquer modificação para melhor. Mas, longe disso, muitos se entrincheiram atrás de teoremas que envolvem com a auréola intocável do dogma.” (JUNG, Civilização em Transição, CW Vol.10, 2012, §335)

E termina falando “O fanatismo é companheiro inseparável da dúvida”. A Arteterapia pede que seja um caminho livre para emergir conteúdos do inconsciente, pede criação, o que realmente importa é o próprio processo, a estética não tem um valor para julgamento. No setting de Arteterapia não cabe dizer se é feio ou bonito, mas sim como se chegou ali, porque aquela imagem conversa por tal viés com o cliente e como podemos elaborar isso juntos. O autoconhecimento é o prêmio por esse mergulho mais profundo pela sua produção ilustrativa, aqui falamos não só de desenho, mas qualquer produção artística, “Toda obra humana é fruto da fantasia criativa”. (JUNG, O Espírito na arte e na ciência, CW Vol.15, 2012, §98)

Logo, podemos diferenciar a técnica como “conjunto de procedimentos na arte e na ciência” como está exemplificado no dicionário. É a tática, a maneira que os materiais foram “criados” para serem utilizados; entendo que a importância desse saber seja justamente para nós entendermos que qualquer “desvio” de função se torne um método de expressão, e isso, provavelmente é o germe da análise do processo terapêutico. Posso exemplificar, podemos pensar o papel higiênico, utilizamos para fazer papel mache; aí vem um cliente e olha esse papel ali no canto da sala e pede para desenhar de canetinha nele. Se nos utilizássemos só da técnica, como um professor de arte falaríamos que “não funciona”, “não é adequado” etc. mas na arteterapia pode, deve, vamos testar como funciona... e a permissão vem de transgredir o material e pluralizar sua possibilidade sempre nos permitindo perguntas só no final desse “explorar”. Pois o que se trabalha fora, é concomitantemente trabalhado internamente. Expressar no dicionário é manifestação do pensamento por meio da palavra ou do gesto”, e as vezes não conseguimos verbalizar o que precisa ser dito, através da imagem isso fica mais palatável e a condução analítica toma formas mais eficazes para a terapia, “[...]a fantasia não erra, porque a sua ligação com a base instintual humana e animal é por demais profunda e íntima. É surpreendente como ela sempre chega a propósito. O poder da imaginação, com sua atividade criativa, liberta o homem da prisão da sua pequenez, do ser “só isso”, e o eleva ao estado lúdico.” (JUNG, A prática da psicoterapia, CW Vol.16/1, 2012, §98)

Desta forma, podemos trabalhar de forma consciente conteúdos oriundos do inconsciente. Jung trata uma cliente assim e explica a possibilidade que obtemos ao trabalhar por meio de imagens:

“[...]Nestas condições aparece frequentemente uma série dramática de fantasias. A vantagem deste método é o de trazer à luz uma grande quantidade de conteúdos inconscientes. Podemos utilizar para a mesma finalidade desenhos, pinturas e modelagens. Séries visuais, ao tornar-se dramáticas, passam facilmente à esfera auditiva ou da linguagem, o que determina diálogos ou algo parecido. Em alguns indivíduos um pouco patológicos e especialmente nas esquizofrenias latentes, que não são raras, este método pode ser um tanto perigoso, requerendo, portanto, um controle médico. Ele baseia-se num enfraquecimento deliberado da consciência e de sua influência limitadora ou repressora sobre o inconsciente. O objetivo do método é em primeiro lugar terapêutico e, em segundo lugar, ele fornece um rico material empírico. Alguns dos nossos exemplos foram tirados desse material. Diferem dos sonhos apenas pela forma mais apurada, devido ao fato de os conteúdos derivarem, não de uma consciência onírica, mas desperta.” (JUNG, Os arquétipos e o inconsciente coletivo, CW Vol.9/1, 2012, §320)

A finalidade é de se descobrir e entrar num movimento de autoconhecimento. A terapia é para mergulharmos dentro de um lugar interno que ainda não foi descoberto ou destrinchado sobre nós mesmo. A ajuda da Arteterapia e do arteterapeuta é para acessar esse lugar, profundo, sobre o qual não conseguimos falar, mas sobre o qual podemos conversar. As técnicas são necessárias para a produção da arte, mas a o Si mesmo, em várias ocasiões, só consegue se pronunciar pelas expressões criativas, permitir-se acessar esse lugar é profundamente enriquecedor e transformador.

Bárbara Pessanha

Membro Analista em Formação pelo IJEP/RJ

 

Bibliografia:

JUNG, Carl Gustav. Psicologia e o Inconsciente. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

(Obras Completas de C. G. Jung, v.7/1)

JUNG, Carl Gustav. O eu e o Inconsciente. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

(Obras Completas de C. G. Jung, v.7/2)

JUNG, Carl Gustav. A natureza da psique. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. (Obras

Completas de C. G. Jung, v. 8/2).

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 11. ed. Petrópolis:

Vozes, 2012. (Obras Completas de C. G. Jung, v. 9/1).

JUNG, Carl Gustav. Civilização em Transição. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. (Obras

Completas de C. G. Jung, v. 10).

JUNG, Carl Gustav. O espírito na arte e na ciência. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

(Obras Completas de C. G. Jung. V. 15).

JUNG, Carl Gustav. A prática da Psicoterapia 16/1. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. (Obras

Completas de C. G. Jung, v. 16/1).


Bárbara Pessanha - 23/09/2020